Fechar

Livre-se da Compulsão

A compulsão se apresenta de variadas formas, desde o consumo excessivo de açúcar até o uso abusivo de drogas lícitas e ilícitas.

O combate à compulsão só é possível com a quebra do seu circuito, ou seja, com a decisão de retirar-se, ainda que por um período curto de tempo, de seu dia-a-dia, de sua rotina.

Livre-se destes comportamentos e ganhe acesso a um imenso volume de energia que poderá ser usado para impulsionar sua vida e seus projetos.

No mês de julho, o Vida Livre – Saúde Emocional iniciou as atividades de imersões voltadas para o tratamento da compulsão.

Tome uma decisão que pode mudar sua vida.

Ligue e informe-se: TELEFONE - TELEFONE

  • Entrada
  • 12998456_155238218206364_1917766852297990642_n
  • 13012890_155236524873200_1031852379620126405_n
  • 13012617_155238228206363_5287924972030169104_n
  • 13043715_155238321539687_8320524943569119914_n
  • 13012764_155236521539867_6940516044406386466_n

12 Passos

O programa de Doze Passos foi criado por William Griffith e Doutor “Bob” Smith, em 1935, nos Estados Unidos, para o tratamento de alcoolismo. Em razão dos resultados positivos obtidos, esse programa foi sendo estendido para o tratamento de outras dependências, sendo, atualmente, a estratégia central da grande maioria dos Grupos de Autoajuda para o tratamento de dependências químicas e de outras compulsões, dos quais os mais conhecidos no Brasil são os Alcoólicos Anônimos (AA e Al-Anon/Teen) e os Narcóticos Anônimos (Nar-Anon).

Uma das características mais amplamente conhecida do programa é a tradição de, nas reuniões, os membros se apresentarem apenas pelo primeiro nome e admitirem que são dependentes.

O programa de Doze Passos parte de uma base espiritual sem, no entanto, ser ligado a nenhuma religião. Portanto, cada membro pode seguir as suas próprias crenças, mas todos admitem a existência de um Poder Superior. E é justamente esse Poder Superior que pode restaurar a sanidade de cada um dos participantes.

Conforme se aprofundam no programa, os membros do grupo têm a oportunidade de se auto-conhecer. O quarto passo, por exemplo, pede ao participante uma revisão minuciosa de si mesmo e a admissão das suas negatividades. Uma vez consciente delas, através da auto-responsabilidade, o indivíduo tem a oportunidade de  transformar as negatividades em positividades, atingindo, assim, a cura e uma vida plena, sem vícios.